Gado de Confinamento: o que o você precisa saber sobre a atividade!

Saiba mais sobre gado de confinamento, o que o produtor rural precisa para trabalhar na atividade e quais são as vantagens neste modelo de pecuária.

Gado de Confinamento. Você provavelmente já ouviu (ou leu) este termo. Mas você sabe em que este modelo de pecuário consiste?

A pecuária é uma atividade do agronegócio que envolve a criação e venda de animais para abate. Devido ao alto consumo de carne bovina no Brasil, tem sido considerada uma atividade lucrativa e com grande potencial de crescimento.

Até então, cerca de 95% do gado brasileiro é criado em sistema extensivo de pastagem, onde a principal fonte de alimentação é o pasto natural. 

Como o Rio Grande do Sul passou por um período severo de estiagem e ao passo que ainda está se recuperando da seca, o gado de confinamento entra como uma alternativa interessante para superar os obstáculos relacionadas às variações sazonais.

Boa parte dos produtores ainda não sabe como funciona o confinamento de gado, nem quais são todos os seus benefícios. Por isso o artigo de hoje foi escrito para esclarecer as principais dúvidas: 

  • Como funciona o gado de confinamento?
  • Quais são as vantagens?
  • Quanto custa para manter o gado confinado?
  • Qual é a melhor hora para investir no confinamento?
  • Como fazer um confinamento de gado eficaz?
  • Quais são os tipos de estrutura para gado de confinamento?
  • Como escolher a estrutura correta para confinar bovinos?
  • Quais são os pré-requisitos de um bom alojamento?

Se você é produtor rural, já trabalha ou pretende ingressar na pecuária com o gado de confinamento, continue lendo esse post para entender a fundo como funciona essa prática.

Boa leitura!

 

Gado de confinamento: como funciona?

Diferente do sistema extensivo de pastagem, em que a alimentação dos bovinos é feita por meio de pastagem natural, o confinamento de gado se baseia no manejo e alimentação por meio de cochos.

Nesse sistema o animal é alimentado com água e ração à vontade, o que ajuda garantir as condições mais propícias para o corte. O confinamento pode ser feito desde o nascimento do animal até o abate ou então ser realizada na fase final da produção.

Assim como os bezerros, os garrotes, as vacas boiadeiras e os novilhos em recria também podem ser confinados.

O que torna o confinamento de gado uma prática tão interessante é que nela são fornecidos recursos nutricionais completos para o desenvolvimento do gado. O que, por consequência, ajuda no desenvolvimento, na engorda e qualidade da carne.

 

8 benefícios na criação de Gado de Confinamento

Agora que você já sabe como funciona o confinamento de gado, veja 8 benefícios que a prática pode trazer para a propriedade:

 

#1. Aumento da produtividade

A principal vantagem do confinamento de gado é o aumento da produção. Uma vez que os animais são confinados e recebem alimentação adequada, estes se desenvolvem e engordam mais rapidamente. 

Como a pastagem pode ser comprometida em várias regiões por causa de períodos de estiagem ou excesso de chuva, o confinamento se torna uma opção interessante para quem quer garantir a qualidade e alimentação dos animais.

#2. Redução de custos com manutenção animal

Com o sistema de confinamento, o tempo de produção é reduzido. O gado se desenvolve, engorda e é direcionados ao abate mais rápido. Então a propriedade consegue reduzir os custos relacionados a manutenção do animal.

#3. Melhor aproveitamento dos espaços

Como o produtor rural pode delimitar um espaço físico para fazer o confinamento, ele consegue aproveitar melhor outros espaços da fazenda. Nesse sentido, pode utilizá-los para o cultivo de ração ou pasto. Ou, até mesmo para investir na plantação de culturas diversas e produção de outros animais.  

#4. Redução de despesas com reforma de pastagem 

Visto que a alimentação ocorre por meio de cochos, o produtor não precisa mais se preocupar com a manutenção e reforma de pastagem. 

O valor economizado com adubos pode ser direcionado para outras fases da produção, ou então investido em tecnologias que ajudam otimizar as atividades dentro da fazenda.

#5. Garantia de carne em períodos de seca

Quando a propriedade trabalha com o sistema extensivo de pastagem, a engorda e qualidade do gado vai depender unicamente das condições climáticas.

Se acaso a região passar por um período de seca e parte do pasto for perdido, vai ser necessário mais tempo e investimento para os animais se recuperarem. 

Assim sendo, o confinamento entra como uma solução atrativa para garantir a produção e venda de carne, mesmo em períodos de maior escassez.

#6. Produção de adubo orgânico

Outra vantagem interessante do confinamento é que o produtor pode utilizar do esterco para a produção de adubo orgânico. Desse modo, o adubo pode ser aproveitado nos pastos ou em outras plantações.

#7. Baixa mortalidade e risco de infecções  

Uma vez que o controle sanitário é mais rigoroso no confinamento, o gado fica mais saudável e livre de sofrer com doenças ou infecções. Em virtude disso a propriedade diminui a taxa de mortalidade bem como os gastos com medicação e atendimento veterinário.  

#8. Melhor preço de venda e chance de negociação

Como o sistema de confinamento garante a qualidade da carne, o pecuarista pode negociar o gado para corte a um preço mais elevado. Se for esse o caso e o frigorífico aceitar as condições, consegue recuperar o capital investido em menos tempo.

 

Quanto custa para manter o gado confinado?

O custo para manter o gado confinado vai depender de vários fatores. Os principais estão relacionados ao custo de aquisição do animal, custo com a nutrição, como também custos operacionais (mão de obra, alojamento, impostos, entre outros).

Normalmente o valor de aquisição representa 70% dos custos enquanto que os custos com nutrição e os custos operacionais ficam em 30%. 

Como o valor pode variar de uma propriedade para outra, cada produtor deve fazer o cálculo dos próprios custos para identificar a média do valor investido. Uma vez que identificado esse valor mensal, fica mais fácil para ele montar um planejamento no ano.

Para entender melhor, veja o exemplo:

Digamos que você possui 50 cabeças de gado na sua propriedade. 

O custo diário com a nutrição desses animais é de 6,00 por boi. Já os custos com alojamento, mão de obra e impostos ficam em torno de 1,70. Assim sendo, o custo médio diário por boi é de 7,70. 

Já no final do mês, o custo para manter as 50 cabeças de gado será de 11.550,00.

Diário =  50 (quantidade de gado) x 7,70 (custo por boi) =  385,00 / dia

Mensal = 385,00 x 30 (número de dias no mês) = 11.550,00 / mês

Anual = 11.550,00 x 12 meses = 138.600,00 / mês

 

Qual é a melhor hora para investir no confinamento de gado?

Antes de investir no confinamento de gado, o indicado é que o produtor rural analise as seguintes questões:

  • Será que a minha propriedade possui espaço para alojamento?
  • Quanto disponho de capital para investir em gado confinado?
  • Tenho condições financeiras para cobrir todos os custos mensais?
  • Quanto estou disposto a investir na atividade pecuária por ano?

Se após analisar as perguntas o produtor verificar que possui todas as condições para desempenhar a atividade, ele pode montar um planejamento para mensurar (mais ou menos) qual será o tempo de retorno do investimento.

 

Como fazer um confinamento de gado eficaz?  

A primeira coisa que o produtor rural precisa fazer é assegurar que a propriedade possui fonte de alimentação contínua e de baixo custo. Nesse sentido, plantar e oferecer a própria pastagem. 

Também deve assegurar que possui profissionais capacitados para auxiliar no manejo bem como no cuidado diário dos animais. 

Não só isso, precisa garantir que tem espaço suficiente para montar o alojamento (área mínima de 15m² por cabeça de gado) e assegurar a higienização e limpeza do local. 

Se o produtor conseguir garantir todos esses requisitos (alimentação a baixo custo, mão de obra qualificada, espaço ideal para alojamento e higienização), ele será capaz de fazer um confinamento de gado eficaz.

 

Tipos de estrutura para gado de confinamento

O sistema de gado de confinamento pode ser utilizada pelo produtor nas seguintes situações:

  • Desmame de bezerros
  • Manejo e alimentação de novilhas em recria
  • Recuperação de peso após período de escassez
  • Engorda de bovinos em lotes restritos

Portanto, possui diferentes tipos de confinamentos. Abaixo, veja quais são as principais estruturas:

 

Confinamento em galpão fechado

O galpão fechado pode ser utilizado pelo produtor para confinar até 50 animais. Deve possuir um espaço de 3 a 5 metros quadrados por bovino, também comedouros para sal mineral, ração e bebedouros.

Essa é considerada a estrutura mais segura entre os tipos de alojamento, contudo, exige um alto custo de investimento.

 

Alojamento a céu aberto

O alojamento a céu aberto é capaz de confinar entre 50 a 100 cabeças de gado. Desse modo, seu espaço mínimo deve ter em média 8 a 20 metros quadrados. 

Assim como no caso do galpão fechado, o alojamento a céu aberto deve ter também comedouros, bebedouros e um cocho de sal. E como nesse caso não existe teto para proteção dos animais, o mais indicado é que o produtor rural instale o local próximo a árvores.  

Essa é considerada a estrutura mais em conta para o produtor.

 

Alojamento parcialmente coberto

O alojamento parcialmente coberto possui uma estrutura semelhante ao do céu aberto. Entretanto, nesse caso, o produtor disponibiliza uma área coberta para que os animais se protejam em dias com muito sol, chuva ou granizo. 

Geralmente essa é uma cobertura que fica junto dos comedouros, bebedouros e choco.

 

Creep Feeding

O Creep Feeding é uma estrutura utilizada para aumentar o ganho de peso. Nele, o produtor deve disponibilizar um cocho privativo, onde apenas o bezerro terá acesso. 

Dentro desse cercado o animal receberá uma suplementação alimentar exclusiva para garantir que o desmame ocorra bem. 

As principais vantagens do Creep Feeding são:

  • Suplementação da cria sem separá-la da mãe
  • Aumento do peso à desmama
  • Adaptação à suplementação no cocho

 

Como escolher a estrutura correta para o confinamento? 

Pois bem, você já sabe como funciona o confinamento de gado, quais são suas vantagens e qual é o custo para manter o gado confinado. Também sabe como fazer um confinamento eficaz e quais são os principais tipos de alojamento.

Agora vamos ver o que é preciso levar em consideração ao escolher a estrutura correta para o confinamento.

 

Recursos da propriedade

A escolha da estrutura vai depender primeiramente da disponibilidade de recursos da propriedade. 

Desse modo, o produtor precisa avaliar qual é o terreno disponível e se este possui acesso fácil. Também deve verificar quais são as condições climáticas do solo (umidade, vegetação) e se é possível erguer uma estrutura no local.  

O produtor também deve ainda avaliar se existe mão de obra disponível para ajudar no manejo, e se existe alguma fonte de água potável nas proximidades.   

Uma vez que a propriedade possui recursos para comportar o alojamento, o produtor pode identificar com mais facilidade o tipo certo de estrutura.

 

Objetivo do produtor

Economizar na construção? Garantir o bem estar e segurança do rebanho? Facilitar o manejo e engorda? Qual é o seu objetivo? A resposta vai determinar qual é o tipo de estrutura correto para a propriedade. 

Se for economizar, por exemplo, o alojamento a céu aberto pode ser a melhor alternativa. Por outro lado, se o objetivo é garantir o bem estar e a segurança do rebanho, talvez o investimento mais indicado seja erguer um galpão fechado. 

Se for facilitar o manejo e engorda, talvez o alojamento parcialmente coberto e o Creep Feeding sejam as melhores alternativas.

Indiferente da sua escolha, a estrutura certa é aquela que vai atender às suas necessidades e também as necessidades do seu rebanho. Por isso, pense bem antes de escolher!

 

Pré-requisitos de um bom alojamento

O alojamento é o local onde será feito o manejo e a alimentação dos bovinos. Cada estrutura possui suas características e vantagens, é claro, mas existem alguns pré-requisitos que precisam ser levados em consideração pelo produtor caso o objetivo seja fazer um bom confinamento. 

Abaixo, veja que pré-requisitos são esses: 

  • Área coberta para produção de silagem
  • Cercado para engorda
  • Estrutura de conservação da água e solo para controle da poluição
  • Ferramentas e instalações elétricas para facilitar o manejo
  • Galpão para armazenamento de máquinas e implementos
  • Sistema de coleta de esterco para produção de adubo orgânico
  • Terreno com declínio máximo de 8% e mínimo de 3% para segurança do animal

E então, gostou do tema? Já sabe como trabalhar com gado de confinamento? Se você quer melhorar ainda mais o desempenho da sua produção, clique e veja como os brincos de identificação podem ajudar!

Chip de Gado: A Tecnologia que faz a diferença na fazenda

Veja como funciona o chip de gado, quais são as vantagens desse aparelho e como a tecnologia pode fazer diferença na sua propriedade.

A gestão do rebanho é um fator decisivo para qualquer produtor aumentar os lucros. Seja na criação de gado ou produção de leite, coletar e avaliar as informações sobre os animais pode ajudar o produtor a identificar o que precisa ou não ser melhorado na atividade. 

Embora muitos produtores de gado ainda tenham dificuldade na hora de realizar a gestão, a verdade é que manter o controle sobre o rebanho pode ser mais fácil do que eles imaginam.

Os brincos para gado, por exemplo, quando relacionados a um software de gestão permitem ao produtor acessar dados específicos sobre o rebanho, alimentação dos animais, custos e até mão de obra. 

Ou seja, ele pode acompanhar de perto os investimentos e com base nessas informações tomar decisões mais estratégicas para gerenciar a propriedade.  

O brinco eletrônico, também conhecido como “chip de gado”, é um desses brincos desenvolvido para facilitar ainda mais o trabalho dos produtores. Além de ser útil para a identificação animal, contribui também para a propriedade otimizar as  operações e aumentar os rendimentos. 

Quer saber mais sobre como o chip de gado funciona? 

Veja, neste post, como funcionam os brincos para gado, quais são as principais vantagens do brinco eletrônico e porque essa ferramenta pode fazer diferença na sua fazenda. Também, porque o Sisbov é importante para garantir a qualidade dos produtos.

Confira!

 

Brincos para gado 

O brinco para gado é um equipamento utilizado para a identificação de bovinos, suínos e ovinos. 

A ferramenta também serve para ajudar o produtor na gestão da sua propriedade, uma vez que ele consegue ter acesso à informações específicas sobre a atividade pecuária e o desempenho de cada animal. 

Muitas das informações coletadas estão relacionadas ao manejo nutricional, uso de medicamentos, reprodução e genética, entre outras. 

Saber quais são os custos da atividade e acompanhar de perto o desenvolvimento dos animais é importante para o produtor identificar os erros e definir quais estratégias são mais assertivas para amenizar os impactos. 

Com base no histórico dos animais, por exemplo, ele pode elaborar um plano para aumentar a qualidade da carne e como consequência vender mais produtos.

 

Como o chip de gado funciona?

O brinco eletrônico, conhecido também como “chip de gado”, é um aparelho que serve para identificar o animal a partir de um leitor. 

Funciona por sinal de radiofrequência, e como a comunicação entre o aparelho e o computador pode ser feita por meio de um cabo serial ou Bluetooth, o manejo é realizado simultaneamente no software de gestão. 

Diferente do modelo tradicional, que possui apenas a identificação numérica em sua etiqueta, o brinco eletrônico carrega informações mais detalhadas a respeito dos bovinos. 

É dividido em duas partes, o macho e a fêmea, e foi desenvolvido para se encaixar perfeitamente na orelha do animal. 

Por facilitar a recuperação dos brincos após o abate, o chip de gado vem sendo bastante requisitado pelos produtores. Inclusive porque permite a coleta rápida das informações e a alimentação imediata de dados a um sistema de gestão. 

Ou seja, além de conseguir recuperar o dispositivo mais rápido, o produtor consegue monitorar a sua fazenda de onde ele estiver através de um software. Assim, potencializando a sua atividade.

O chip de gado facilita a leitura das informações, e a partir de uma análise rápida sobre os dados o produtor garante resultados mais positivos para o seu negócio.

 

Chip de gado: quais são as vantagens da tecnologia? 

Agora que você já sabe um pouco mais sobre brincos para gado e como funciona o chip de boi, que tal conferir as principais vantagens que essa tecnologia pode oferecer para a sua propriedade?    

 

Automatização da coleta de dados

Como a comunicação entre o chip de gado e o software de gestão é feita por meio de um cabo serial ou Bluetooth, o produtor pode automatizar a coleta de todas as informações. 

 

Contenção de erros na coleta e transmissão de dados

A automatização da coleta e transmissão de dados elimina qualquer possibilidade de erro. Ou seja, a propriedade consegue garantir a confiabilidade e segurança das informações. 

 

Menor contato com os animais

Como tudo é feito de modo automático, o produtor não precisa manter o contato frequente com os animais. Uma vez que consegue monitorar e acompanhar as informações por meio de um software, ele pode analisar o desempenho dos bovinos  de qualquer lugar, por um smartphone ou computador.

 

Mais tranquilidade para tomar decisões

O acesso às informações atualizadas sobre o rebanho permitem ao produtor mais tranquilidade para tomar decisões. Ele sabe que se precisar, pode verificar as informações no sistema e a partir daí montar um plano para solucionar o problema o mais rápido possível.

 

Redução do tempo de trabalho 

Com o apoio da tecnologia a fazenda consegue reduzir o tempo necessário para coletar e transmitir os dados até o software. Isso possibilita ao produtor mais tempo e energia para desempenhar outras atividades importantes. 

 

Identificação animal facilitada

O leitor torna a identificação animal mais eficiente. Também permite ao produtores otimizar as atividades e a gestão do rebanho para aumentar a qualidade dos produtos. 

 

Sisbov: como garantir a qualidade dos produtos? 

O Sisbov foi criado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e serve para identificar, registrar e monitorar, individualmente, os bovinos e bubalinos nascidos no Brasil. 

Constitui uma série procedimentos para caracterizar a origem, o estado sanitário, a produção e a segurança dos produtos de origem bovina ou bubalina. O objetivo do Sisbov é regulamentar a prática pecuária no país.

Com a venda para os países estrangeiros está crescendo, o mercado têm exigido dos produtores a certificação do Sisbov para confirmar que os produtos têm origem confiável. 

Para todos aqueles que desejam trabalhar com a criação de gado para exportação, o brinco para gado é um investimento importante caso queira garantir a qualidade dos produtos.

 

Gostou do tema? 

Se você ainda têm dúvidas sobre como o chip de gado funciona ou está com dificuldade de realizar a gestão do rebanho, clique aqui para falar com um de nossos especialistas. Ou, se preferir, conheça nossos produtos para descobrir qual é o brinco para gado ideal para o seu negócio.

Como aplicar Brincos para Gado

Saiba como aplicar brincos para gado, conheça os cuidados necessários durante a aplicação e conheça alguns dos principais meios de identificação animal.

Acompanhar o desenvolvimento do rebanho, utilizando a identificação animal, é uma prática que pode aumentar a eficiência na atividade pecuária. Mas, para isso, é necessário saber quais são os melhores métodos de identificação animal e como aplicar brincos para gado, ovinos e suínos corretamente, sem prejudicar o animal.

O monitoramento de informações sobre a alimentação, ganho de peso, reprodução, mortalidade, medicamentos e vacinas permite que o produtor controle melhor os procedimentos de manejo e avalie de perto o progresso do seu rebanho.

A identificação animal é realizada por meio de um código que combina números e letras. Este código é dado a cada boi, o que torna possível a sua diferenciação do restante dos animais. 

Quer identificar o seu rebanho, mas não sabe como fazer isso? Veja, neste post, quais são os métodos de identificação mais conhecidos, como funciona para aplicar os brincos para gado e quais são os cuidados necessários para a cicatrização.

 

Principais métodos de identificação animal

Os principais métodos de identificação animal são a tatuagem, marcação a fogo e o brinco para gado. A eficácia de cada um desses procedimentos depende unicamente do modo como foi realizada a sua aplicação.

 

Tatuagem 

A tatuagem é um método de identificação permanente. A principal restrição dessa modalidade acaba sendo a dificuldade de enxergar o código uma vez que a numeração pode se apagar com o tempo. 

Nesse caso o produtor precisa capturar e manter o animal preso para fazer a leitura.

 

Marcação a fogo

Os perigos na marcação a fogo ocorrem quando o procedimento é realizado por pessoas inexperientes. Por isso é importante que a propriedade trabalhe apenas com profissionais qualificados e equipamentos que possuem boas condições de uso. 

A marcação a fogo deve ser feita em locais de fácil visualização e que geram menor impacto para minimizar a dor e os danos ao couro. 

O posicionamento da marcação no corpo do animal deve seguir as indicações do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, sendo feita nos membros anteriores ou posteriores do animal, abaixo da linha do ventre. 

 

Brincos de identificação animal 

O brinco para identificação animal é um dos métodos mais utilizados. Garante boa visibilidade e um melhor custo-benefício para o produtor.

A única condição que pode prejudicar a ação dos brincos está relacionada a falha de retenção na orelha, resultando na perda da identificação do animal. Há dois fatores que aumentam os riscos de perdas dos brincos sendo eles: produtos de baixa qualidade e falhas nos procedimentos de aplicação. 

Há muitos brincos para gado disponíveis no mercado, mas nem todos são capazes de atender às necessidades. Por isso, no momento da compra, o produtor precisa estar atento para escolher aquele de melhor qualidade, flexibilidade e resistência. 

Além da qualidade dos brincos, o sucesso da identificação animal vai depender também do procedimento correto de aplicação. Esse é um trabalho que precisa ser feito por pessoas capacitadas, equipamentos adequados e que deve ser realizado com os devidos cuidados de higiene. 

Se estas condições não forem respeitadas, o produtor pode ter de lidar com falhas na execução da aplicação. Ou seja, corre o risco de sofrer com a perda de brincos, erros na identificação dos animais e problemas na cicatrização.

Brincos para Gado
Existem diversos tipos de brincos para identificação animal.

 

Como aplicar brincos para gado? 

A aplicação dos brincos não exige nenhum tipo de infraestrutura especial. No caso de bezerros recém-nascidos, a aplicação pode ser feita no local do nascimento. Já nos animais mais velhos a aplicação pode ser feita no tronco de contenção. 

Para a aplicação dos brincos no bovino adulto é recomendado ter duas ou mais pessoas auxiliando para manter a cabeça do animal imóvel. Esse cuidado é necessário para evitar a aplicação errada do produto e possíveis acidentes que podem prejudicar o bicho. 

Qualquer movimento brusco pode rasgar a orelha do animal, ocasionar na perda e aplicação errada do brinco.

Abaixo, veja o que precisa ser levado em consideração na hora de realização a aplicação.

 

Equipamentos

Antes de iniciar a aplicação dos brincos para gado, certifique-se de que os equipamentos estão em boas condições de uso. O alicate aplicador deve estar limpo, lubrificado e alinhado, e a agulha do aparelho não deve estar torta e nem solta.

 

Animais

Outra coisa que você deve fazer antes de começar o processo de aplicação é definir quantos animais serão identificados. O objetivo por trás desse planejamento é manter a organização e assim evitar erros e o estresse desnecessário nos bichos.

 

Equipe de trabalho

A equipe deve contar com pelo menos três pessoas: um indivíduo responsável pela organização dos brincos, outra pessoa para conter o animal e outra para aplicar a ferramenta.

Observações: 

  • O brinco deve ser posicionado no centro da orelha, entre as duas principais nervuras. Esse cuidado oferece boas condições para a retenção e visualização do brinco. 
  • Para definir o local correto da aplicação o produtor deve considerar a borda inferior e superior da orelha. 
  • O alicate aplicador precisa estar em posição vertical. Quando o alicate está na posição horizontal o brinco pode ser aplicado no local errado. Nesse caso na ponta e não no centro da orelha. 
  • O indicado é que o produtor escolha os meses do ano mais frios e secos para fazer a aplicação dos brincos.

 

Cuidados importantes no processo de cicatrização 

A cicatrização só vai ocorrer semanas após a aplicação do brinco. 

No período em que a ferida está cicatrizando há maior chance de ocorrer inflamações e infecções. Então, para reduzir o risco de aparecimento de bicheiras, é importante que o produtor aplique os brincos com o máximo de higiene. 

Deve utilizar pastas repelentes de moscas nas bases do identificador, e manter uma camada do produto entre o brinco e a orelha do animal. 

O tamanho do furo também vai ter influência no processo de cicatrização. O ideal é que o produtor utilize um furador com 6 mm de diâmetro para ter um resultado melhor no furo. Aberturas menores que 5 mm podem fechar devido à cicatrização, enquanto que os furos maiores de 7 mm aumentam os riscos de perdas de brincos. 

 

Então, gostou do tema? 

Já sabe como aplicar os brincos para gado no seu rebanho ou ainda ficaram dúvidas sobre o assunto? 

Se estiver precisando de ajuda ou ainda não sabe qual é o melhor método de identificação animal para o seu rebanho, clique aqui para falar com um de nossos especialistas. Ou, se preferir, conheça todos os nossos produtos para descobrir qual é o brinco para gado ideal para o seu negócio.

Bastões Eletrônicos: Como fazer a Gestão da Pecuária com Tecnologia

Quer otimizar a gestão do seu rebanho e se destacar na atividade pecuária? Veja, como usar tecnologia em identificação eletrônica e bastões eletrônicos.

Os métodos mais conhecidos de identificação animal são a marcação a fogo e a tatuagem. 

Porém, embora as técnicas sejam as mais populares, os produtores de gado já estão buscando outras formas de identificação animal para otimizar a gestão do rebanho.

O brinco eletrônico para gado e os bastões eletrônicos, por exemplo, são tecnologias que fazem parte da identificação eletrônica.

Como a tecnologia oferece recursos mais modernos para o pecuarista identificar bovinos e realizar o manejo, as propriedades têm conseguido automatizar e aumentar o controle sobre a atividade pecuária.

Ainda assim, existem produtores de gado que ficam em dúvida se substituir os métodos tradicionais por novas tecnologias pode trazer mesmo benefícios.

Esse também é o seu caso? Então veja, neste post, qual é a importância da tecnologia na atividade pecuária e como você, produtor rural, pode usar a identificação eletrônica ao seu favor para otimizar a gestão do rebanho. 

Confira!

 

Identificação eletrônica: a importância da tecnologia na atividade pecuária 

Os investimentos em tecnologia têm se tornado cada vez mais necessários na atividade pecuária. Isso porque o mercado mudou e o consumidor está exigindo processos mais rápidos e produtos com mais qualidade. 

Seja em uma pequena propriedade leiteira ou em uma grande fazenda para confinamento de gado de corte, a identificação eletrônica têm contribuído na otimização dos processos e aumento na produtividade.

Por meio de ferramentas mais modernas e tecnológicas, o produtor rural já tem possibilidade de acompanhar o seu rebanho na “palma da mão”, verificar o histórico de tratamento, medicação e alimentação.

Também consegue identificar os bovinos mais rápido, além de gerenciar todos os custos e investimentos com facilidade. 

Hoje, se o pecuarista quer expandir os lucros da sua fazenda, ele precisa estar preparado para atender o mercado. Do contrário correrá o risco de ser ultrapassado e até mesmo superado pelos concorrentes. 

Assim sendo, a aplicação da tecnologia na atividade pecuária pode ser tratada como uma estratégia crucial para garantir sucesso e resultados mais positivos para o produtor.

 

4 recursos que a identificação eletrônica oferece

Agora que você já sabe a importância de aplicar a tecnologia na atividade pecuária, que tal você conferir os recursos que a identificação eletrônica oferece para a sua propriedade?

 

Softwares para a pecuária

É impossível alcançar ganhos de produtividade se o pecuarista não sabe como medir os seus resultados, concorda?

O produtor precisa ter controle sobre todos os seus custos e despesas, e saber exatamente qual foi o retorno sobre o seu investimento. Caso contrário ficará sem base para tomar decisões mais assertivas.

Os tempos são outros e as práticas pecuárias que funcionavam anos atrás podem não surtir o mesmo efeito agora. Sabemos que a procura por produtos com qualidade cresceu, os consumidores estão cada vez mais exigentes e os produtores precisam acompanhar essas mudanças para se sobressair.

Também precisam saber analisar os índices para determinar o que traz lucros ou prejuízos para o seu negócio. 

Assim sendo, para otimizar a gestão do rebanho e conseguir resultados cada vez mais expressivos, o pecuarista precisa investir em ferramentas que ajudem na análise de indicadores e no gerenciamento. 

Por meio de um software para a pecuária, por exemplo, o produtor não só é capaz de realizar a identificação individual dos seus bovinos como também:

  • Melhorar o controle de pesagens;
  • Manter um histórico de medicamentos;
  • Ter mais controle financeiro;
  • Controlar o estoque de medicamentos, insumos, suplementos, etc;
  • Registrar as compras e vendas da boiada;
  • Acompanhar os índices de produtividade.

Ou seja, com a ferramenta ele pode ter controle total sobre o manejo e a atividade pecuária.

 

Brincos eletrônicos para identificação animal

O uso dos brincos eletrônicos para a identificação animal ajudam o pecuarista a obter informações importantes sobre o rebanho e a eficiência do trabalho. Os dados coletados contribuem para a melhora da produtividade o que, consequentemente, ajuda alavancar os rendimentos. 

Os brincos eletrônicos são compostos por duas peças que permitem um encaixe perfeito na orelha do animal, conhecidas como o macho e a fêmea. Esse tipo de identificador é ótimo para otimizar a gestão do rebanho uma vez que permite a leitura fácil das informações. 

Além de facilitar o manejo, o brinco eletrônico para gado também oferece vantagens como a coleta automatizada das informações e redução nas contusões dos animais.

O produto também é interessante porque permite que o pecuarista economize tempo e esforço durante o trabalho, e fique praticamente livre de acidentes ao lidar com os rebanho.

Uma vez que existe menor contato com o gado, é possível ainda diminuir o estresse dos animais e a probabilidade de ocorrerem erros na coleta e transmissão de dados.

 

Bastões eletrônicos

Os bastões eletrônicos são ferramentas que permitem a leitura de brincos eletrônicos e/ou brincos com códigos de barras. 

Os bastões eletrônicos BAQUEANO PRO S, por exemplo, são os únicos que fazem a leitura de código de barras dos brincos SISBOV (Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos).  

O cruzamento dos dados coletados com um software de gestão permite que o produtor controle cada um dos seus bovinos, além de acompanhar de perto o tratamento dos animais. 

O bastão eletrônico é uma tecnologia que utiliza sinais de radiofrequência. Sua leitura é feita por meio de leitores de rádio, então a comunicação entre o bastão e o sistema é imediata (via cabo serial ou Bluetooth). Isso permite que o produtor realize o manejo do rebanho simultaneamente no sistema de gestão. 

Os grandes benefícios dos bastões eletrônicos são:

  • Leitura rápida das informações;
  • Cruzamento de dados com o software de gestão;
  • Maior confiabilidade das informações;
  • Manejo mais otimizado;
  • Mais controle sobre a atividade pecuária.  

 

Brincos com QR CODE

Os brincos com QR Code são uma tecnologia que facilita o controle e identificação do gado. O pecuarista pode acompanhar o seu rebanho, na palma da mão, e pode fazer isso de forma muito mais rápida e eficiente.

Para quem ainda não sabe, o QR Code é uma evolução do código de barras. A tecnologia consiste em um gráfico que pode ser lido pelas câmeras dos celulares, permitindo a leitura confiável das informações individuais dos animais. 

Embora os brincos com QR Code ainda sejam pouco utilizados, esse tipo de identificador já é considerado um sucesso entre os criadores de bovinos e ovinos.

Isso porque a tecnologia consegue otimizar ainda mais a gestão já que oferece facilidade e praticidade na leitura dos dados.Outro ponto importante que precisa ser mencionado é a segurança que os brincos com QR Code oferecem.

Uma vez que o QR Code é gerado, o código do brinco não pode mais ser alterado pelo produtor. Ou seja, não existe risco da propriedade sofrer qualquer tipo de adulteração nos brincos ou até mesmo falha nas informações. 

 

Como usar a identificação eletrônica para gerenciar a atividade pecuária

Conseguiu entender tudo até aqui? Então agora é hora de você descobrir como pode usar os recursos oferecidos pela identificação eletrônica para gerir o seu negócio. 

Assim como no tópico anterior, vamos começar com o Software para pecuária, está bem?

 

Bastões Eletrônicos: Gestão fácil com o software para pecuária 

Imagine que você possui uma pequena propriedade leiteira. 

Para aumentar a produtividade das suas vacas, você precisa ter controle sobre o manejo, nutrição e medicamentos. Também ter definido os custos e as despesas com funcionários e equipamentos.

A coleta e o gerenciamento de todos esses dados é importante para você aumentar a produtividade na sua fazenda e a qualidade do seu produto. Você sabe disso… 

O problema é que, na maioria das vezes, você não encontra tempo suficiente para coletar e manter todas as informações em ordem. Ainda mais sabendo que os dados precisam ser recolhidos e ordenados para cada animal. 

Como você acha que ficará a sua gestão se não existir controle sobre as informações? Uma bagunça, não é?

Nesse caso, o software para pecuária entra como um aliado para manter a sua gestão pecuária em dia. Você pode coletar, armazenar, editar e até mesmo gerenciar os dados, tudo em um único sistema. 

Além das informações relacionadas ao manejo, nutrição e medicamentos, você ainda consegue acrescentar dados sobre os seus investimentos e custos. Assim sendo, pode usar da tecnologia para avaliar se a atividade pecuária está trazendo lucros ou prejuízos para o seu bolso.

Não só isso, você pode utilizar das informações salvas no software para direcionar suas estratégias ou até tomar decisões que o ajudem a aumentar os seus ganhos.

 

Mais praticidade com os brincos e bastões eletrônicos para identificação animal

Agora vamos imaginar que você possui uma grande fazenda para confinamento de gado de corte. O seu rebanho possui mil cabeças de gado e você precisa ter controle sobre todos os animais para garantir a qualidade do seu produto.

A questão é, como você vai conseguir identificar e manter o controle sobre todo o rebanho de um jeito prático? 

O método de tatuagem e marcação a ferro não parece ser uma ideia interessante quando o assunto é praticidade, não é? Imagine só quanto tempo você ou o seu funcionário podem perder apenas para realizar a identificação? 

O trabalho que poderia levar dois dias ou três acaba durando uma semana. E, para quem possui uma fazenda para confinamento de gado de corte, a perda de tempo pode acarretar em prejuízos ou até mesmo perda da qualidade. 

Sendo assim, os brincos eletrônicos para identificação animal são uma ótima alternativa.

Além do recurso permitir a identificação do gado mais rápido, você pode automatizar a coleta de dados e reduzir a probabilidade de erros na coleta e transmissão das informações, utilizando bastões eletrônicos.

Como não precisa manter o contato direito com os animais, uma vez que pode acompanhar tudo pelo software, você consegue evitar acidentes de trabalho e diminuir o estresse causado nas diferentes fases de manejo.

 

Bastões eletrônicos para uma coleta de informações eficiente

Nesse exemplo, vamos imaginar que você quer otimizar a sua gestão e para isso precisa agilizar a leitura dos brincos eletrônicos. 

Assim sendo, você precisa contar com uma ferramenta ágil que vai auxiliá-lo na coleta das informações sobre cada bovino.

Como o bastão eletrônico utiliza sinais de radiofrequência para coletar os dados, a comunicação com o software de gestão é imediata. Então, você pode realizar a leitura dos brincos eletrônicos simultaneamente no sistema. 

Já pensou na praticidade que a sua propriedade pode ter com essa tecnologia? 

Você e o seu funcionário não precisam mais perder tempo realizando a leitura dos brincos de forma manual, e nem se preocupar com a confiabilidade das informações coletadas. 

Tudo se torna mais prático, rápido e seguro. 

 

Facilidade e segurança com os brincos com QR Code

Você é um pecuarista que se preocupa com a segurança dos dados, está bem? Você não quer correr o risco de ver o código dos brincos sendo adulterados e nem questionar a confiabilidade das informações.

Como os brincos armazenam dados importantes sobre o seu rebanho necessários para a gestão eficiente da atividade pecuária você precisa buscar formas de redobrar a segurança. 

Isso para não correr o risco de analisar dados incorretos no futuro ou tomar decisões precipitadas que podem prejudicar o desempenho de cada animal. 

Mas, como garantir essa segurança? Bem, você pode investir nos brincos com QR Code.

Esse recurso é interessante porque, após gerado um código, os brincos não podem se alterados pelo produtor e ninguém mais. Ou seja, as informações sobre o rebanho ficam praticamente blindadas. 

E como não bastasse a segurança oferecido pelo código, o brinco com QR Code ainda oferece facilidade em sua leitura, o que ajuda a otimizar ainda mais a gestão do pecuarista.     

Legal, não é? 

 

Se até então a gestão pecuária era considerada um desafio, agora a realidade é outra. Hoje o pecuarista já pode utilizar a tecnologia ao seu favor e assim modernizar processos e facilitar a identificação animal

Os recursos oferecidos pela identificação eletrônica são inovadores e podem ajudar o produtor a otimizar a atividade pecuária. Não só isso, permite que ele gerencie os seus negócios de perto e com mais precisão. 

 

Então, gostou do tema? 

Se estiver precisando de ajuda ou ainda não sabe qual é o melhor método de identificação animal para o seu rebanho, clique aqui para falar com um de nossos especialistas. 

Ou, se preferir, conheça todos os nossos produtos para descobrir qual é o brinco para gado ideal para o seu negócio.

Brincos para Gado: quais são os tipos e como é feita a aplicação?

Veja, neste post, como funcionam os brincos para gado e quais são as vantagens. Também, como é feita a aplicação e qual a importância da identificação animal para o Sisbov.

A identificação animal é extremamente importante na atividade pecuária. Identificar os animais, saber quais são suas necessidades e conseguir acompanhar o desenvolvimento do rebanho podem ajudar o produtor a aumentar a sua produção e até economizar. Os brincos para gado são aparelhos desenvolvidos para ajudar nessa identificação e são uma excelente escolha para quem quer ter mais controle sobre o rebanho. Mas, será que todas as pessoas sabem quais são todas as vantagens e como funciona a aplicação do produto?

Se você quer melhorar o desempenho da sua propriedade mas ainda não sabe como fazer isso, veja, neste post, como funcionam os brincos para gado, quais são as vantagens e quais são os tipos de produtos no mercado. 

Também, quais são os cuidados necessários para a aplicação dos brincos e qual é a importância da identificação animal para o Sisbov. 

Confira! 

 

Brincos para gado: como funcionam e quais são as vantagens?

 

Os brincos para gado foram criados para ajudar o produtor na identificação animal. Servem para distinguir os bovinos de uma determinada propriedade e também para controlar o rebanho. 

Quando o produtor decide identificar os seus animais de forma individual, ele e os seus funcionários conseguem reconhecer cada bovino com facilidade e assim realizar o manejo com mais eficiência. 

O brinco bovino para identificação animal contribui ainda para a gestão do rebanho uma vez que o produtor consegue acompanhar o histórico e o desenvolvimento de cada animal.

Essas informações ajudam na tomada de decisão do produtor que impacta diretamente na engorda do gado, produção de leite e até no melhoramento genético.

Por exemplo:

Se a propriedade identificar que uma determinada vaca está mais magra do que as outras, o produtor pode acompanhar o histórico desse animal para avaliar se houve diferença no manejo nutricional ou se algum incidente pode ter prejudicado a sua saúde.

A partir daí, tomar medidas para engordar o animal ou, no caso de existir foco de doença, medicar e separar a vaca do restante do rebanho.

  

Tipos de brincos para gado

 

Brincos Manejo para Gado

Os Brincos para Gado Manejo são aquelas peças que possuem apenas a identificação numérica na etiqueta. Ou seja, não contém informações complementares sobre o animal.

Embora esse seja um brinco mais simples do que um modelo eletrônico, os brincos tradicionais podem ser uma opção interessante para quem possui um rebanho pequeno em uma pequena propriedade, e quer economizar.

 

Brincos Eletrônicos para Gado

Além dos brincos manejo, o produtor têm a opção de escolher a aplicação de brincos eletrônicos para gado

Diferente do modelo anterior, onde só existe a identificação numérica na etiqueta, esse brinco permite uma gestão mais detalhada das informações sobre os bovinos.

Cada brinco possui uma numeração de 15 dígitos e esse número pode ser lido como um código de barras por meio de um bastão leitor (leitor de identificação animal móvel com armazenamento de dados)

Tanto a numeração impressa na etiqueta como o brinco bovino foram desenvolvidos para durar a vida inteira do animal. Ou seja, a validade do aparelho é um diferencial que oferece um excelente custo benefício para o produtor.

O uso de brincos bovinos com identificação eletrônica tem muitas vantagens, entre elas: 

  • facilita o reconhecimento do bovino na calha;
  • oferece mais durabilidade;
  • assegura uma identificação diferenciada para cada animal;

Por serem mais modernos, os brincos para gado eletrônico ajudam o produtor a economizar tempo e dinheiro já que não é preciso substituir os produtos durante a vida do bovino. Também, porque impede que erros acabem atrasando o processo de identificação. 

Assim sendo, os brincos eletrônicos são uma alternativa interessante tanto para as pequenas, médias ou grandes propriedades.

 

Como aplicar os brincos

 

A aplicação dos brincos para gado não é um procedimento difícil, mas são necessários alguns cuidados para evitar incidentes.

Por exemplo, a atenção na hora de aplicar o equipamento no animal pode impedir a queda dos brincos o que, consequentemente, resulta na perda das informações.

Então, para realizar a aplicação correta dos brincos para gado o produtor deve primeiramente separar todos os equipamentos que serão utilizados na aplicação e posicionar as peças do brinco no aplicador de forma correta.

Quando for aplicar o brinco no bovino, deve certificar que a peça está centralizada na orelha (entre as 2 principais nervuras). Precisa ainda verificar se a aplicação foi bem sucedida (para não correr o risco do brinco cair), e aplicar um produto de cicatrização e com ação repelente para proteger a ferida.

 

Qual é a importância da identificação animal para o Sisbov?

 

O Sisbov é o sistema oficial de identificação individual de bovinos e búfalos. 

Foi criado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e é utilizado como ferramenta de controle sanitário para fiscalizar as propriedades rurais que querem produzir e comercializar as carnes para o mercado externo.

Devido ao alto índice de consumo de carne e com o crescimento das vendas para países estrangeiros, o mercado têm exigido dos produtores de gado a certificação para confirmar que os produtos têm origem confiável e que são, de fato, de qualidade. 

Seja para a criação e comercialização de carnes dentro do Brasil ou para os que desejam trabalhar com a criação de gado para exportação, o brinco bovino para a identificação animal alinhada ao Sisbov é um cuidado importante para garantir a qualidade dos produtos para o mercado. 

 

Gostou do tema? 

Viu só como aplicar o brinco bovino não é uma atividade complicada? Basta tomar alguns cuidados para garantir que eles não caiam e você acabe perdendo as informações.

Se você ainda têm dúvidas sobre como aplicar os equipamentos no gado, clique aqui para falar com um de nossos especialistas. Ou, se preferir, conheça nossos produtos para descobrir qual é o brinco para gado ideal para o seu negócio.

Gado para exportação: quais são os principais cuidados?

Veja, neste post, quais são os cuidados necessários ao criar gado para exportação. Também, qual é a importância da identificação animal e do Sisbov nesse processo.

Criar gado para exportação é uma das atividades mais valorizadas no Brasil. Devido ao alto índice de consumo de carne no país e agora, com exportação maior à China, a atividade pecuária têm chamado ainda mais atenção dos fazendeiros.

Quando falamos em criar e exportar gado muitas pessoas pensam que essa é uma atividade complicada e onerosa. Mas, será que isso é mesmo verdade?

Veja, neste post, por que investir na criação de gado para exportação é uma opção rentável para o produtor e quais são os cuidados necessários para criar e exportar bovinos. 

Também veja porque a identificação animal e o Sisbov (Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos) são importante para garantir a qualidade dos produtos. 

Confira!

 

Criação de gado para exportação: por que investir?

Um das principais vantagens de se trabalhar com a criação e exportação de gado é o lucro. Isso porque a carne é um produto bastante valorizado e a procura no mercado interno e externo é grande.

Como o setor de agronegócios e a agropecuária recebem vários incentivos do governo, o produtor que decidir trabalhar com o gado consegue garantir preços mais acessíveis para investir e aumentar a sua margem de retorno.

Ou seja, a atividade pecuária pode ser mais vantajosa do que a maioria pensa. 

Mas é claro que assim como todo e qualquer negócio, a criação de gado também exige cuidados e precisa ser administrada corretamente. Do contrário os resultados podem não aparecer e os prejuízos podem ser enormes.

Abaixo, confira quais são os cuidados necessários para criar e exportar bovinos.  

 

Como criar gado para exportação?   

Tenha um planejamento

Antes de qualquer coisa o produtor precisa entender que é preciso montar um planejamento. Dessa forma, deve colocar no papel o tipo de gado que será criado, o local em que será realiza a atividade pecuária e principalmente como funcionará o processo de levar o produto até o mercado externo.

Ter um planejamento bem estruturado vai auxiliá-lo a avaliar o que pode ser rentável ou não e, dessa forma, ajudá-lo a manter os investimentos sob controle. 

 

Escolha a área para criar o gado

O segundo passo é escolher um território adequado para comportar todos os animais. Assim sendo, o ideal é que o produtor defina uma localidade de acesso fácil, com fontes de água próxima e pasto de qualidade.

 

Adquira as instalações e ferramentas certas

Toda atividade depende de uma boa infraestrutura e ferramentas, certo? E na criação de gado para exportação isso não seria diferente.

O produtor deve investir em cercas para impedir que os bovinos se percam e em infraestrutura para abrigar os animais. Também deve contar com equipamentos para vacinação e manuseio do feno, comedouros e bebedouros, entre outros.

Assim que escolher as ferramentas para a atividade o produtor precisa certificar que esses ativos são de qualidade. Isto é, que irão atender todas as necessidades da fazenda. E, quanto ao local para a manutenção do gado, esse deverá ser limpo e espaçoso o suficiente para acomodar os animais.

 

Selecione as raças para criação

A qualidade da carne e o sucesso do empreendimento vão depender muito da raça do bovino. Como o processo de exportação é exigente quanto à qualidade do produto, o ideal é que o produtor opte por raças que sejam conhecidas e, portanto, possuem boa reputação no mercado. 

   

Manejo nutricional

O manejo nutricional é uma das questões que mais exigem atenção. Afinal, o gado precisa de uma boa alimentação para que se desenvolva corretamente, concorda? Essa alimentação deve acontecer regularmente, de maneira equilibrada e ser rica em nutrientes.

E caso o produtor não saiba como funciona essa etapa, ele pode chamar um veterinário para auxiliá-lo.

 

Mantenha o gado saudável

O sucesso da atividade pecuária também depende da saúde do animal. Afinal, quem vai querer comprar o produto se a carne não tiver uma boa qualidade?

Manter o gado saudável é importante para oferecer um produto que seja adequado e que atende às exigências do mercado. 

Além disso, também é importante para estabelecer um nível de confiança entre o produtor e comprador, e impedir que o animal adoeça e acabe gerando prejuízos.

 

 

Identificação Animal Sisbov
Investir em identificação animal é importante para administrar seu rebanho de exportação.

Administração do gado

Sim, o gado também precisa ser administrado. Se o objetivo é exportar a carne, as exigências quanto a qualidade dos produtos são altas. Então é crucial que o produtor tenha uma rotina de cuidados e gerenciamento.

Para administrar os animais corretamente, o ideal é que o produtor crie métodos de controle para saber com precisão qual é o total de cabeças de gado na propriedade bem como para acompanhar o desenvolvimento de cada animal.

O produtor de gado pode elaborar relatórios e investir na identificação animal para ter maior controle sobre as vacinas, idade aproximada e como os bovinos se comportaram desde que chegaram na fazenda.

Como a criação e exportação de gado possui um controle sanitário extremamente rigoroso, o produtor precisa certificar que os seus animais têm origem confiável e que todos os seus produtos são de qualidade. 

O Sisbov (Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos) serve para identificar, registrar e monitorar, individualmente, os bovinos e bubalinos nascidos no Brasil. 

Constitui-se de uma série de ações, medidas e procedimentos para caracterizar a origem, o estado sanitário, a produção e a segurança dos produtos de origem bovina ou bubalina, objetivando regulamentar o rastreamento no Brasil.

 

Brinco para gado: por que esse item é importante?

Os brincos para gado ajudam na identificação animal, mas suas funcionalidades são muito mais complexas. Ao mesmo tempo que ajuda na identificação, essa tecnologia também auxilia o produtor a monitorar de perto o desenvolvimento de cada bovino. 

Ao acompanhar a evolução dos seus animais, o produtor consegue certificar que o gado destino à exportação é confiável. E, como resultado, ver a procura por seus produtos crescer e o seu lucro aumentar.

 

Gostou do tema? 

Viu só como criar gado para exportação não precisa ser uma atividade tão complicada? Basta tomar os cuidados necessários para garantir que os produtos sejam confiáveis e tenham mesmo qualidade. 

Se você não sabe o que é o Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos, clique aqui para saber mais sobre como o Sisbov funciona e qual é a sua importância. Ou, se preferir, conheça nossos produtos para descobrir qual é o brinco para gado ideal para o seu negócio.

Sisbov: o que é e porque é importante?

Veja o que é o SISBOV, como ele funciona e quais são as oportunidades que esse sistema de identificação é capaz de oferecer para sua pecuária.

Para confirmar a certificação do rebanho e garantir que os produtos cheguem com qualidade até a mesa do consumidor, muitos produtores rurais têm adotado o sistema oficial de identificação individual de bovinos e búfalos (SISBOV) como aliado.

Afinal, por meio dessa identificação animal (brinco para gado), não só estão conseguindo rastrear o rebanho como acompanhar de perto todas as etapas na obtenção dos produtos (desde a origem da matéria-prima até a identificação de problemas).

Ainda não sabe o que é SISBOV e nem como essa ferramenta funciona? Veja, neste post, para que serve e quais são as oportunidades que o sistema de identificação e certificação animal pode oferecer para a sua propriedade. Confira!

 

 

SISBOV: o que é e como funciona?

O SISBOV, também conhecido por Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos, é o sistema oficial de identificação individual de bovinos e búfalos. 

Foi criado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), e pode ser utilizado como uma ferramenta de controle sanitário para fiscalizar as propriedades rurais que querem produzir e comercializar as carnes para o mercado mundial.

Através de brincos para gado, as propriedades rurais podem identificar cada um dos animais no rebanho e monitorar de perto todo o seu desenvolvimento. 

Por garantir a certificação que os seus animais têm origem confiável e que todas as etapas envolvidas na obtenção desse produtos são de qualidade, o SISBOV vêm despertando a curiosidade e o interesse de cada vez mais produtores.

 

Por que o SISBOV é importante?

O SISBOV é importante porque pode ser utilizado pelo produtor rural como ferramenta de controle sanitário. De que forma? Ajudando na identificação de focos de doenças e epidemias bem como na retirada de circulação as carnes que possam estar contaminadas.

Embora esse sistema tenha sido criado por conta das exigências da União Europeia (uma compradora importante para o Brasil), agora o Sistema de Identificação e Certificação de Bovinos e Bubalinos também está sendo utilizado para certificar a qualidade das carnes nacional a outros países.

Além do Brasil, outros territórios internacionais têm adotado a ideia da rastreabilidade individual nos rebanhos já que também querem comprovar a qualidade de seus produtos para o mercado. Países como Argentina, Uruguai, Austrália e Canadá são apenas alguns exemplos. 

A principal vantagem de credenciar a fazenda no SISBOV é a facilidade de gestão e monitoramento do rebanho. O produtor rural pode utilizar o brinco SISBOV para identificar cada animal, e com isso adotar uma cultura de coleta de dados em sua propriedade. 

Como o sistema aumenta a segurança e ajuda no controle sobre os animais, maior acaba sendo o valor agregado desses produtos. Tanto é que, alguns frigoríficos exportadores fazem questão de pagar valores mais altos se confirmada a qualidade das carnes. 

Então, embora a aplicação do SISBOV implique em gastos, o pecuarista pode recuperar todo esse investimento ao longo das vendas.

 

Quais são as oportunidades que o SISBOV oferece?

Agora que você já sabe o que é o SISBOV e como ele funciona, que tal conferir 4 oportunidades que esse sistema pode oferecer?

 

Garantia de qualidade

Com o brinco SISBOV o produtor rural consegue identificar e acompanhar todo o desenvolvimento do seu rebanho. Por meio de relatórios atualizados, pode verificar como está a saúde atual dos animais, se foram realizadas todas as vacinações, entre outros dados.

Como o pecuarista é capaz de acessar as principais informações sobre a matéria-prima e os processos, a propriedade consegue garantir a qualidade dos seus produtos para o comprador.  

 

Ganhos econômicos

Uma vez que certificada e confirmada a qualidade dos produtos, os frigoríficos exportadores tendem a pagar um valor mais alto pela carne. Afinal, sabem que a origem do produto é confiável e que os animais passaram por um processo rigoroso de qualidade até chegar a eles. 

A propriedade se beneficia dessa vendas, podendo alcançar ganhos mais expressivos do que pela venda de produtos sem identificação animal. Não só isso, a possibilidade do pecuarista expandir os negócios e comercializar com mais territórios aumenta.

 

Instrumento de gestão

Além dos ganhos econômicos, o SISBOV também oferece ao produtor rural a oportunidade dele melhorar a gestão da sua propriedade. Ele consegue ter mais controle sobre todo o seu rebanho, saber qual foi o valor investido em cada animal (medicação, tratamentos, alimentação), entre uma série de outros informativos.

Muitos pecuaristas deixam de implantar a rastreabilidade nas suas fazendas por conta do investimento exigido e da restrição de acesso à tecnologia. Porém, quando colocados em uma balança, os ganhos em comercializar produtos certificados e com qualidade conseguem superar qualquer desafio.

 

Maior credibilidade

O sucesso do produtor rural não deve-se apenas a comercialização de produtos, mas a fidelização de compradores para que garanta ganhos estáveis e duradouros. Quando a fazenda utilizada brincos SISBOV para identificar e acompanhar o rebanho, consequentemente está aumentando a sua credibilidade perante os compradores.

O mercado mundial passa a enxergar a propriedade com outros olhos e o respeito por todos os profissionais cresce. Além do mais, a reputação da fazenda também é favorecida uma vez que o nome do produtor está ligado à negócios com outros países.

 

O SISBOV é obrigatório? 

Segundo a Instrução Normativa MAPA nº 51, de 1 de outubro de 2018, o SISBOV não é uma obrigatoriedade. No entanto, a partir de pesquisas relacionadas a esse sistema, muitos produtores estão percebendo que investir na tecnologia é uma forma deles melhorarem a comercialização de carne no mercado interno e externo. 

Os pecuaristas estão encontrando no sistema a oportunidade de, não só aumentar a renda como também expandir os seus negócios.

 

Como se credenciar?

Se você é um produtor rural e ficou interessado em credenciar sua propriedade junto ao SISBOV veja abaixo como funciona o processo de implementação do sistema de rastreamento.

1ª Fase

O pecuarista deve escolher uma das certificadoras credenciadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em seu estado, para a certificação da sua propriedade.

As certificadoras credenciadas são responsáveis pela caracterização e pelo registro individual de bovinos e bubalinos em todo o território nacional. Também, a inclusão destes rebanhos na base nacional de dados (BND).

2ª Fase

Assim que o pecuarista escolher a certificadora, deve realizar a solicitação dos documentos para cadastramento de sua fazenda.

3ª Fase

A certificadora credenciada irá encaminhar os seguintes documentos para que o produtor rural preencha e assine:

I – Formulário para cadastro de produtor rural;

II – Formulário para cadastro de estabelecimento rural;

III – Formulário para inventário de animais (este formulário deverá conter o mesmo número de bovinos que os do cadastro do Escritório Local do Órgão Executor da Sanidade Animal no Estado);

IV – Formulário de termo de adesão à norma operacional do serviço de rastreabilidade da cadeia produtiva de bovinos e bubalinos (SISBOV);

V – Formulário para protocolo declaratório de produção.

4ª Fase

Após a organização e adequação dos documentos, o produtor rural deve entrar em contanto com uma fábrica de brincos SISBOV para comprar os produtos. 

Ele deve adquirir uma quantidade suficientes de brincos para a identificação de todos os animais da sua propriedade.

OBS: O produtor rural deve entrar em contato com uma empresa de brincos SISBOV, credenciada no MAPA. Ou, pedir para a certificadora encomendar os brincos diretamente com a empresa brincos.

5ª Fase 

O pecuarista receberá os brincos juntamente com uma planilha de identificação. Ele então deve aplicar os brincos em cada animal e preencher a planilha com os dados solicitados.

6ª Fase

O produtor rural deverá comunicar à certificadora para que o processo de vistoria seja realizada. A certificadora enviará um supervisor de campo que realizará o processo de vistoria por meio da verificação de todos os animais identificados.

 

Brinco SISBOV

Precisa de brincos SISBOV? Clique aqui.

 

O que será avaliado no processo de vistoria?

Segundo o Art. 17º da Instrução Normativa, durante o processo de vistoria serão avaliados:

I – documentação de adesão do estabelecimento rural à esta norma operacional;

II – documentação de identificação dos animais;

III – procedimentos de identificação e registro dos animais;

IV – documentação relativa ao inventário dos animais;

V – documentação, registros e controles relativos à movimentação, desligamento e morte de animais;

VI – controles de estoque e uso dos elementos de identificação individual;

VII – relatório da última vistoria para verificação de eventuais observações;

VIII – compatibilidade entre as informações inseridas na BND e as constatadas no ERAS;

IX – medidas corretivas e preventivas adotadas pelo ERAS, em casos de auditorias ou vistorias que tenham encontrado não conformidades, no caso de realização de ajuste de rebanho ou sempre que detectadas não conformidades no ERAS; e

X – controle sobre o uso de insumos pecuários em atendimento às exigências específicas de mercado.

 

Como acontece a checagem da identificação

Ainda de acordo com a IN, na avaliação dos animais (quando na checagem da identificação individual), serão observados:

I – se a forma de identificação está conforme o informado no protocolo declaratório de produção, planilhas de identificação de animais e BND;

II – a compatibilidade entre o número SISBOV dos animais registrados, as informações contidas na BND e a documentação de identificação dos animais;

III – a compatibilidade da numeração entre os elementos de identificação individual, quando a forma de identificação utilizada tiver mais de um elemento identificador; e

IV – a ocorrência de violação, quebra ou perda de elementos de identificação individual.

Obs: O rebanho deverá manter a identificação animal quando movimentados.

 

Depois que a propriedade estiver credenciada ao SISBOV, o uso dos brincos para gado é obrigatório?

De acordo com o Art. 7º, a adesão dos produtores rurais ao SISBOV é voluntária. Porém, a partir do instante que a propriedade opta por aderir ao sistema, a utilização de brincos de identificação (eletrônicos ou visuais) passa a ser uma exigência. 

 

Como identificar os animais para se enquadrar às normas do SISBOV

Quando tomada a decisão de credenciar a fazenda ao Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos, o produtor rural deverá identificar os seus animais das seguintes formas: 

I – um brinco auricular padrão SISBOV em uma das orelhas e um bottom;

II – um brinco auricular ou um bottom padrão SISBOV em uma das orelhas e um dispositivo eletrônico colocado na orelha, no estômago ou na prega umbilical;

III – um brinco auricular padrão SISBOV em uma das orelhas e uma tatuagem na outra orelha, com o número de manejo SISBOV;

IV – um brinco auricular padrão SISBOV em uma das orelhas e o número de manejo SISBOV marcado a ferro quente, em uma das pernas traseiras, na região situada abaixo de uma linha imaginária ligando as articulações das patas dianteira e traseira, enquanto que os seis números de manejo SISBOV deverão ser marcados três a três, sendo os três primeiros números na linha imaginária e os outros três imediatamente abaixo;

V – um dispositivo eletrônico contendo identificação visível equivalente ao brinco auricular padrão SISBOV ou um brinco auricular padrão SISBOV em uma das orelhas: nesta opção, a perda do identificador resultará que estes animais sejam submetidos a uma nova identificação, cumprindo todos os procedimentos constantes desta Norma; e

VI – outras formas de identificação aprovadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), como Instância Central e Superior do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária.”

 

Identificação Animal é Obrigatória?

Embora não seja obrigatório, a identificação animal é um requisito importante para todos aqueles que querem produzir e comercializar carnes. Seja vendendo produtos em território nacional ou para o exterior, o SISBOV é a garantia de um diferencial mais competitivo.

Essa ferramenta auxilia o produtor no controle sanitário da sua fazenda, a garantir mais qualidade nos seus produtos e, consequentemente, ter ganhos econômicos mais expressivos. Pode ser utilizado como um instrumento de gestão e contribui 100% para que a propriedade seja mais reconhecida e valorizada no mercado.

 

Se você quer se credenciar ao SISBOV, mas ainda está com dificuldade de realizar o cadastramento, entre em contato com um de nossos especialistas para ajudá-lo. 

Ou, se preferir, clique aqui para descobrir o tipo de brinco para gado ideal para o seu negócio.

  • E-mail contato@primaza.com.br
  • Orçamento (55) 98154-0054
  • Pós-Venda (55) 3375-8443
  • Endereço
    Avenida Presidente Kennedy 3400, Bairro Arco-Íris
Open chat
Fale conosco
Powered by